Saiba mais sobre os Brunellos do Montalcino

Conheça a história e algumas características desse vinho

Brunello di Montalcino é considerado um dos vinhos mais prestigiosos e renomados da Itália e do mundo.

Brunello di Montalcino é considerado um dos vinhos mais prestigiosos e renomados da Itália e do mundo.

Freepik

Brunello di Montalcino é um vinho tinto italiano produzido na região da Toscana, mais especificamente na área ao redor da linda e charmosa cidade medieval de Montalcino. É considerado um dos vinhos mais prestigiosos e renomados da Itália e do mundo. Mas o que faz essa bebida ser tão especial?

Para entender melhor, voltemos ao século ao final da segunda metade do século XIX, quando o vinho mais conhecido dessa região era um vinho branco e doce, conhecido como Moscadello di Montalcino. E foi aí que começou a aparecer a força da família mais importante e conhecida de lá, a Biondi Santi, que começou a estudar o potencial de uma uva-tinta até então pouco explorada, a Sangiovese, ou como é chamada localmente, Brunello ou Sangiovese Grosso.

Por volta de 1860, Ferrucio Biondi-Santi, tido como “Pai dos Brunellos”, (filho de Jacopo Biondi e Caterina Santi), iniciou a produção de um vinho tinto baseado nesta uva, que imediatamente ganhou o gosto de quem o tomava. Por muitos anos ele era bebido apenas na Toscana e em algumas outras regiões próximas da Itália, pois era uma bebida cara e somente lá pela década de 1950 ele começou a ser exportado e aí ganhou o mundo.

Entre outras coisas, o Brunello di Montalcino tinha algumas particularidades, como os longos períodos de envelhecimento em barris de carvalho e garrafas antes de serem lançados ao mercado. O envelhecimento mínimo de um Brunello é de 5 anos (com mínimo de 2 em barris de carvalho) e se for um Brunello Riserva, 6 anos.

Com o tempo, para que os vinhos tivessem um mesmo padrão de qualidade e de estilo, regras foram sendo estabelecidas para a produção, até que em 1968, a região de Montalcino recebeu a designação de Denominação de Origem Controlada (DOC) para o Brunello. Mais tarde, em 1980, o Brunello di Montalcino tornou-se uma Denominação de Origem Controlada e Garantida (DOCG), a classificação mais alta para vinhos italianos, garantindo padrões rigorosos de produção.

E como é um Brunello di Montalcino?
Os Brunello di Montalcino são conhecidos por sua complexidade e riqueza de sabores. Eles frequentemente apresentam notas de frutas vermelhas e escuras, como cereja e amora, juntamente com características terrosas e de madeira. À medida que o vinho envelhece, ele pode desenvolver aromas como couro, tabaco e balsâmico. São vinhos bem encorpados, com taninos bem presentes e com uma enorme capacidade de envelhecimento em garrafa, que pode levá-los há décadas.

Quais os melhores produtores?
São muito produtores bons, inclusive presentes aqui no Brasil. Mas não são vinhos baratos, infelizmente e muitos chegam a atingir preços realmente muito altos. Destaco alguns deles, que estão aqui no Brasil e que tem vinhos excelentes:

Biondi-Santi (Claro!), Casanova di Neri, Frescobaldi, Castelo di Banfi, Altesino, Argiano, Cupano, entre outros.

Quais as melhores e piores safras?
Por ser um produto agrícola e que depende muito da natureza e condições climáticas, a qualidade dos vinhos varia muito de acordo com o ano. Assim, depende de como e quando foram as chuvas, o período de seca, o nível de insolação, se teve geada ou granizo... enfim, muitos fatores climáticos que podem fazer uma safra espetacular ou uma safra sofrível.

De acordo com relatórios e com degustações, as melhores safras dos últimos anos, e que certamente eleva o valor dos vinhos, são 2001, 2004, 2006, 2010, 2012, 2013, 2015, 2016 (a melhor dos últimos anos). E a safra 2019, que será lançada neste ano de 2024, tem tudo para chegar muito perto do sucesso da safra 2016. Já as piores safras são 2000, 2002 (a pior de todas), 2003, 2005, 2009 e 2014.

Ficou com vontade? Eu pelo menos, enquanto escrevia, ia salivando por aqui... Então acho que vou abrir um logo mais!

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas