Viagens Inspirado em Nova York, maior navio de cruzeiro da costa brasileira inicia temporada no país

Inspirado em Nova York, maior navio de cruzeiro da costa brasileira inicia temporada no país

Com mais de 25 bares e restaurantes, MSC Seashore não peca em opções de primeira aos passageiros da embarcação

  • Viagens | Lucas Ferreira, do R7

Resumindo a Notícia
  • Empresa de cruzeiros MSC trouxe o navio Seashore ao Brasil — o maior na costa do país

  • Embarcação tem capacidade para cerca de 7.500 pessoas, incluindo passageiros e tripulação

  • Seashore conta com atrações e espaços para todas as idades

  • Navio passará o verão 2022/2023 na costa brasileira

MSC Seashore tem decoração que remete à cidade de Nova York

MSC Seashore tem decoração que remete à cidade de Nova York

Divulgação

A empresa italiana MSC trouxe ao Brasil o novíssimo MSC Seashore, um dos maiores navios de cruzeiro do mundo. Com 339 m de comprimento e 74 m de altura, dividido em 20 andares, a embarcação fará parte do catálogo de opções da companhia no país durante a temporada 2022/2023.

O R7 foi convidado a ocupar durante um final de semana uma das 2.270 cabines do navio e experimentar um pouco da experiência do Seashore, que tem construção estimada em R$ 3,8 bilhões.

Ao chegar, os elevadores inteligentes te levam no menor tempo possível para o andar da sua cabine. Digo inteligente porque eles te indicam em qual das quatro portas você deve entrar, afinal, o navio pode comportar quase 6.000 hóspedes simultaneamente (imagina o transtorno que seria com elevadores tradicionais).

As cabines possuem diferentes configurações. A que eu fiquei, por exemplo, conta com uma cama de casal, um sofá, uma mesa para trabalho, televisão e banheiro. Mas acredite: o local que você menos ficará é nela.

O navio, por si só, é uma grande atração. A tripulação vem de vários países diferentes e é bastante solícita, sempre auxiliando os passageiros nas diferentes necessidades.

Assim que cheguei ao Seashore, fui ao Le Caberet Rouge, local onde são realizadas as festas noturnas do navio. O espaço é gigantesco, comporta até 400 pessoas, e tem um enorme telão em alta resolução, no qual, infelizmente, acompanhamos a derrota do Brasil para a Croácia, o que resultou na eliminação brasileira da Copa do Mundo.

Em seguida, era hora de almoçar. Fui a um espaço chamado Marketplace Buffet & Restaurant, que conta com uma enorme variedade de pratos, como massas, lanches, carnes e saladas. O serviço funciona no esquema self-service e não deixa a desejar no quesito opções. A mesma área funciona também no café da manhã.

Sem tempo a perder, fiz um tour pelo navio, com decoração inspirada na cidade de Nova York. Em todos os cantos é possível ver referências, como um enorme painel de led que vai do chão ao teto reproduzindo a Times Square. De dia, o céu azul, à noite, os pontos brancos das estrelas.

Fomos de uma ponta à outra do Seashore, passando pelos corredores (quase que infinitos) e elevadores. No começo, a sensação era uma só: onde estou? Apesar dos painéis interativos disponíveis em todos os andares para você se localizar, leva algumas horas, ou até um dia, para entender a grandiosa estrutura do barco.

Dentre os nove restaurantes da embarcação, jantei no Tribeca Restaurant. Me sentei à mesa com uma passageira que havia embarcado nos Estados Unidos e estava há 21 dias navegando — todos os garçons já a conheciam. O menu, com entrada, prato principal e sobremesa, estava ótimo. Optei por rolinho primavera, peixe grelhado com verduras e, por fim, um bolo de chocolate. Foi a melhor refeição em toda a viagem.

Para fechar o dia, voltei ao Le Cabaret Rouge para uma festa bem criativa. Cada passageiro ganhava um fone antes de entrar no local. A ideia da festa é que cada um sintonizasse em uma de três frequências com músicas diferentes. Quando você tirava o aparelho do ouvido, havia apenas o silêncio do ambiente, por mais que todos estivessem dançando.

Os passageiros pareciam um pouco tímidos com a ideia para lá de diferente, mas foram se soltando ao longo da noite, com a ajuda do time de entretenimento do Seashore – que fazia um show à parte para animar a pista do Le Cabaret Rouge.

Le Cabaret Rouge embala as noites do MSC Seashore

Le Cabaret Rouge embala as noites do MSC Seashore

Divulgação

No dia seguinte, foi hora de pegar uma piscina. São seis, no total, espalhadas pelo navio, com decorações especiais e, inclusive, algumas, voltadas para crianças. Fiquei na Long Island Pool, um ponto central de entretenimento para quem quer pegar um sol e dançar, já que o espaço ao ar livre conta com DJs de dia e festas durante a noite.

O Seashore ainda conta com quadra poliesportiva, academia, spa, berçários, sala de jogos, lojas e cassinos. A ideia é atender todos os públicos, independente da idade.

Não é difícil fazer amigos no navio. O clima leve proporcionado pela tripulação, junto com aquele arzinho de férias, faz com que os passageiros também se divirtam e criem laços rápidos, ao menos é o que relatam os hóspedes. Cada passageiro possui um restaurante específico para almoçar e jantar, nos quais, todos os dias, você se senta na mesma mesa e é atendido pelos mesmos garçons.

Ao lado de outros colegas da imprensa, tive a oportunidade de experimentar as especialidades de todos os restaurantes e bares do Seashore. Foi uma excelente chance para sentir os diferentes sabores à disposição dos hóspedes. De comida asiática à mexicana, há opções para todos os estilos e paladares.

No final do dia, quando houve a cerimônia de inauguração do navio, que ficará na costa brasileira durante o verão de 2022/2023, a MSC mostrou alguns dos números que apresentam nos shows diários — sempre um novo espetáculo a cada dia. Tive a oportunidade de assistir acrobatas, dançarinos e cantores em performances incríveis, de arrancar suspiros da plateia – formada por convidados, influenciadores e jornalistas.

Mais uma vez, era hora de comer, desta vez no tradicional jantar de gala do capitão. Havia três opções de entrada e prato principal, além de quatro sobremesas. Desta vez, pedi bisque de lagosta europeia, filé mignon assado em crosta de ervas aromáticas e um royale de chocolate. Magnífico!

A MSC organizou um show para a inauguração do Seashore no Brasil, com apresentações de Afonso Nigro, Alinne Rosa, Luiza Possi e Toni Garrido. O evento foi realizado em um lugar chamado Atrium — um palco no centro do navio que pode ser visto de quatro andares diferentes.

Para encerrar a noite, todos os convidados foram para o Le Cabaret Rouge dançar mais um pouco. O DJ animou os passageiros que, aos poucos, perto do amanhecer, começaram a ir para as cabines descansar algumas poucas horas.

Já de manhã, foi hora de dar adeus ao MSC Seashore. Todo o luxo, imponência e grandiosidade do navio são apenas um detalhe. O que faz a experiência dentro deste gigante dos mares valer a pena passa pelos tripulantes, sempre muito queridos, e por todas as pessoas, que se jogam nesta experiência em busca da diversão.

A MSC tem itinerários de seis e sete noites com o Seashore pelo Brasil. Os portos de partida são os de Maceió (AL), Salvador (BA) e Santos (SP), com valores iniciais que variam entre R$ 3.899 e R$ 6.759.

Últimas